Connect with us

Saúde

CASOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA GRAVE EM CRIANÇAS CRESCEM NO PAÍS

Published

on

Nas últimas semanas, alguns estados do Brasil têm vivenciado um caos na saúde pública provocado pelo aumento de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em crianças de até 11 anos. Em Pernambuco, por exemplo, a fila por um leito em unidade de terapia intensiva (UTI) pediátrica e neonatal chegou a ter 90 crianças. Pelo menos dois bebês morreram à espera de vaga.

Segundo o pesquisador e coordenador do InfoGripe da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Marcelo Gomes, a alta está relacionada, em um menor grau, a vírus respiratórios, como o da Covid e da gripe. Porém, o que causa mais preocupação é o surto de Vírus Sincicial Respiratório, que afeta principalmente crianças entre 0 e 4 anos.

De acordo com o especialista, o aumento tem sido observado pelo menos desde fevereiro, momento que marcou a volta às aulas presenciais em instituições de ensino públicas e privadas. Juntamente com a flexibilização das medidas de prevenção contra a Covid-19, como a desobrigação do uso de máscaras e a liberação de grandes eventos. Cenário que favoreceu a circulação dos vírus.

Desde o início do ano, o país registrou 35.603 casos de SRAG em crianças de 0 a 11 anos, número 43,1% maior que no mesmo período de 2021, quando notificou 24.878 ocorrências. Do total, 21.049 ocorreram entre o público de até 4 anos de idade. Os dados são do InfoGripe.

Com o aumento dos casos de SRAG em crianças, alguns locais já voltaram a adotar as medidas preventivas. Em Minas Gerais, as prefeituras de Betim e Nova Lima retomaram a obrigatoriedade do uso de máscaras em escolas, como forma de evitar a proliferação das doenças infecciosas. Em São Bernardo do Campo (SP), o acessório também voltou a ser exigido em espaços públicos.

Em Santa Catarina soltaram uma nota reforçando a importância das medidas de prevenção e alertaram para a alta de doenças respiratórias em crianças. Já em Pernambuco houve o anúncio de que dobraria o número de vagas de UTI para crianças na rede pública do estado em razão da alta demanda.