Estamos nas redes

Cidade

Chegou a hora de economizar água: mesmo com o calor, poupar o recurso é fundamental

Publicado

de

Medidas de uso racional da água são cada vez mais necessárias. Embora sem o risco de uma crise hídrica, mudar os hábitos de consumo e evitar desperdícios reduzem os impactos na natureza e no bolso do brasiliense

Adotar o uso consciente da água é cada vez mais necessário para diminuir os impactos no meio ambiente. Alguns exemplos são a reutilização da água que sai da máquina de lavar roupa para limpar o piso ou a captação da chuva para a rega do jardim, que além de contribuírem para o uso racional do recurso hídrico, também impactam na tarifa no fim do mês. Embora uma crise hídrica como a vivenciada em 2017 seja descartada pela Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), a mudança de hábitos continua necessária.

Como prioridade, muitos condomínios da capital conciliam sustentabilidade e economia nas campanhas de conscientização dos moradores. Últimos dados da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa) apontam que, em julho, o consumo médio por habitante foi de 133 litros diários. Em abril chegou a 142 litros.

Conscientização

Daniel Sant’Ana, líder do grupo de pesquisa sobre água e ambiente na UnB, destaca que para incentivar as mudanças de hábitos, políticas tarifárias também são eficazes. “Essas iniciativas que estimulam a população a fazer um uso racional. Também políticas públicas, com metas realistas em edificações, costumam ser positivas. Na prática do dia a dia, medidas simples surtem um bom efeito, como vasos sanitários com descargas de direcionamento duplo ou chuveiros mais eficientes”, pontua.

Além disso, o especialista esclarece que, se em larga escala, as medidas de redução são implementadas, é possível diminuir os impactos não apenas sobre os reservatórios, mas também na preservação do meio ambiente. “A mudança de hábito não é simples. Por isso é necessário ação e incentivo, para que ela aconteça. Somente com o uso consciente poderemos impedir, por exemplo, que novas fontes hídricas sejam exploradas”, diz.

Na avaliação do superintendente de recursos hídricos da Adasa, Gustavo Carneiro, a redução do consumo de água ainda pode ser maior. “Nos últimos anos temos uma tendência de redução per capita do uso de água, mas isso de forma tímida, sem grandes transformações. No entanto, sabemos que temos uma linha de manobra muito boa que pode diminuir esses gastos. Por isso, a Adasa trabalha sempre com campanhas educativas, principalmente no período de estiagem, para fortalecer essa orientação de uso consciente”, afirma.

Com isso em mente, o professor de matemática Heron de Sena Filho, 58, decidiu aplicar seu projeto de mestrado em Educação na Escola Classe 5 de Sobradinho, que atende alunos do ensino fundamental 1. “Estava desenvolvendo a minha pesquisa na linha de educação ambiental e percebi que na Escola Classe 5, no momento que os alunos iam beber água no bebedouro, muita água era desperdiçada pela torneira e era jogada fora. Com isso, adotamos uma caixa de água de 200 litros, para onde essa água que ia ser descartada foi direcionada”, detalha.

A água reaproveitada do bebedouro começou a ser usada na horta da escola. “Os alunos perceberam a importância dessas medidas. Além disso, eles casavam essas ações com outros estudos, como o funcionamento das plantas e a importância de não poluir os lençóis freáticos, por exemplo. O mais interessante é que esse é um projeto que pode ser adaptado e adotado facilmente, não apenas em escolas”, sugere.

Saiba Mais

Consumo diário por habitante

Confira as médias de litros consumidos por dia pelos moradores do Distrito Federal

» Janeiro: 132 litros por habitante ao dia (L/Hab.dia)

» Fevereiro: 138 L/Hab.dia

» Março: 133 L/Hab.dia

» Abril: 142 L/Hab.dia

» Maio: 130 L/Hab.dia

» Junho: 133 L/Hab.dia

» Julho: 133 L/Hab.dia

Fonte: CB/Adasa